in Photography, Random Stuff

S.Paio da Torreira 2007

Tem havido algum tráfego constante do Google para o blog à procura de info sobre o S. Paio da Torreira deste ano. Bem, nesse caso recomendo o salto ao Santa Terrinha, blog do Januário Cunha para detalhes sobre o programa.

Neste post prefiro falar das oportunidades fotográficas que a festa oferece. Para já, estamos a falar de uma festa que atrai gentes de toda a região. É uma altura em que tudo cai na Torreira, e a população quadruplica. O povo passeia pela avenida principal incessantemente, parando para ver os produtos que os feirantes apresentam. É um óptimo motivo para quem gosta do género de “street photography” – não falta pessoas nem actividade. É daquelas situações em que uma grande angular produz maravilhas.

A vertente religiosa também será uma atracção interessante para alguns. A procissão apresenta motivos ligados ao trabalho na ria e no mar interessantes e típicos. É de notar que a procissão geralmente sai em hora de sol alto, que não é a condição mais favorável em termos de iluminação. Um flash para encher será certamente um grande auxílio a menos que prefere imagens com sombras carregadas (também depende do céu limpo ou enublado.

Dois dos pontos altos da festa são, sem duvida, os momentos pirotécnicos. O primeiro efectua-se no “mar”. Grande parte do fogo de artificio desta apresentação são objectos animados (como por exemplo um homem a andar de bicicleta) em que as linhas são construídos com elementos pirotécnico, iluminado e animando a figura. A apresentação tem uma série de figuras intermeadas com fogo lançado para o ar a partir das areias da praia. Há uns anos fotografei o fogo a partir das areias da praia. Com uma grande angular (na altura uma fisheye), é possível captar o cenário do mar de gente no passeio junto á praia e tb nas areias da praia (silhuetas) e ainda o fogo no ar (a imagem que abre o post é desse momento). Um tripé é naturalmente um acessório obrigatório para este efeito.

A segunda amostra de fogo é realizado na ria. Esta amostra tem uma característica muito interessante que é o facto de o fogo ser lançado para as águas da ria a partir dos bateiras, e disparadas da água. Existem dois ponto idiais para visualizar este evento. O primeiro é junto do cais , na ria, do lado da Torreira. “Up close and personal”. O outro ponto é no outro lado da ria, no cais da Bestida. A fotografia a partir da Bestida requer tripé e teleobjectiva – algo na gama de uma 300mm para 35mm ou mais. Dado o crop do sensor nas DSLR, creio que uma uma 300fixa ou algo na onda dos 100-300 serão mais que suficientes. O único risco que existe em fotografar do lado da Bestida é o tempo. Se estiver enublado, nevoeiro, ou o vento não puxar os fumos convenientemente, torna-se bastante dificil fotografar. Em ambos as amostras (mar e ria) o show é longo – de 15 a 30 minutos, o que dá bastante tempo para efectuar imagens, sendo os climaxes no fim, normalmente.


Outro ponto alto são o conjunto de corridas quer das bateiras a vela, quer dos Moliceiros, que são sempre uma atracção. Para quem estiver nas margens, a teleobjectiva é a melhor opção. Felizmente o ano passado tive a oportunidade de seguir quer na bateira do meu tio, quer num moliceiro, o que foi uma experiência fantástica, e permitiu outro tipo de apreciação do evento.

Por último, refiro as festanças típicas pelos bares, e os concertos de musica popular portuguesa no palco principal da praça da varina, que naturalmente move milhares de personas a participarem e apreciarem os eventos.

Write a Comment

Comment

 

This blog is kept spam free by WP-SpamFree.